HPV, padrão inflamatório e tratamentos

HPV, padrão inflamatório e tratamentos

Quando é preciso prescrever tratamento para HPV?

O resultado “inflamatório”, “inflamatório moderado” ou coisas semelhantes, isoladamente não significa nada. Só deve ser prescrito tratamento caso a mulher esteja apresentando sintomas como corrimento, irritação etc.

A boa medicina não trata exames, trata o paciente. Exames são quase sempre apenas complementares ao exame clínico, que é soberano. ⠀

Embora seja popularmente conhecido como “preventivo” o Papa Nicolau não existe com objetivo de prevenir todas as doenças ginecológicas da vida. Ele até detecta uma bateria aqui e ali mas ele é feito essencialmente para prevenir o câncer de colo de útero.

Então o que realmente importa e significa que o exame está dentro da normalidade é estar escrito: “Negativo para malignidade” = não tem células malignas, não tem sinais de câncer, arrasou!

O padrão “inflamatório “ é comum a quase todos os exames Papa Nicolau.

A vagina não é um lugar asséptico. Não tem a menor necessidade de passar pomada ou qualquer outra coisa só por que veio escrito “inflamação” sem nenhum sintoma.

Senão, vamos tratar praticamente todos os exames e levar a mulher a uma sensação de que está sempre doente,suja, zoada.⠀

Também não é para colher Papa Nicolau quando a mulher está apresentando infecções vaginais repetitivas, não tem nada a ver.

Repito: esse exame é para rastrear câncer de colo uterino, infecções por bactérias, fungos ou o que a gente vê apenas examinando e analisando as queixas da paciente, o preventivo não tem nada pra nos acrescentar. ⠀

Existem casos em que se faz necessária a coleta de secreção vaginal para Análise, mas isso é outro exame. ⠀

Infecções vaginais de repetição quase sempre significam um desequilíbrio sistêmico na mulher

Então não basta tratar localmente para aliviar o incômodo, é preciso modificar muito mais coisas no contexto para que ela pare de voltar infinitamente. ⠀

Os padrões emocionais precisam ser vistos invariavelmente. É extremamente comum que doenças crônicas na vagina estejam ligadas ao relacionamento e questões sexuais e a forma como a mulher enxerga e sente a si e a sua vagina.⠀

Quem desenvolveu a arte do texto foi o @atelie_do_mato

OBS: Esse texto faz parte de uma pequena série de textos sobre HPV. Você encontra a parte 1 aqui e a parte 2 aqui.

Comentários