Novidades

A medicina que não compreende os mistérios da menstruação

A medicina que não compreende os mistérios da menstruação

A medicina convencional alopática ocidental é considerada a única ciência reconhecida no assunto saúde, mas isso não corresponde à total realidade. Ela também é fruto de nossa colonização européia que nunca mentiu que objetivava nos dominar e explorar. Essa ciência que se baseia apenas em […]

Menstruar não é pra ser ruim!

Menstruar não é pra ser ruim!

Menstruar é algo completamente natural nas mulheres e não foi feito pra ser ruim. Assim como fazer xixi, cocô, comer, dormir, são funções fisiológicas de nosso corpo e quando estão em perfeito funcionamento nos trazem maravilhosa sensação de bem estar, enquanto se estão desequilibradas tendem […]

HPV, padrão inflamatório e tratamentos

HPV, padrão inflamatório e tratamentos

Quando é preciso prescrever tratamento para HPV?

O resultado “inflamatório”, “inflamatório moderado” ou coisas semelhantes, isoladamente não significa nada. Só deve ser prescrito tratamento caso a mulher esteja apresentando sintomas como corrimento, irritação etc.

A boa medicina não trata exames, trata o paciente. Exames são quase sempre apenas complementares ao exame clínico, que é soberano. ⠀

Embora seja popularmente conhecido como “preventivo” o Papa Nicolau não existe com objetivo de prevenir todas as doenças ginecológicas da vida. Ele até detecta uma bateria aqui e ali mas ele é feito essencialmente para prevenir o câncer de colo de útero.

Então o que realmente importa e significa que o exame está dentro da normalidade é estar escrito: “Negativo para malignidade” = não tem células malignas, não tem sinais de câncer, arrasou!

O padrão “inflamatório “ é comum a quase todos os exames Papa Nicolau.

A vagina não é um lugar asséptico. Não tem a menor necessidade de passar pomada ou qualquer outra coisa só por que veio escrito “inflamação” sem nenhum sintoma.

Senão, vamos tratar praticamente todos os exames e levar a mulher a uma sensação de que está sempre doente,suja, zoada.⠀

Também não é para colher Papa Nicolau quando a mulher está apresentando infecções vaginais repetitivas, não tem nada a ver.

Repito: esse exame é para rastrear câncer de colo uterino, infecções por bactérias, fungos ou o que a gente vê apenas examinando e analisando as queixas da paciente, o preventivo não tem nada pra nos acrescentar. ⠀

Existem casos em que se faz necessária a coleta de secreção vaginal para Análise, mas isso é outro exame. ⠀

Infecções vaginais de repetição quase sempre significam um desequilíbrio sistêmico na mulher

Então não basta tratar localmente para aliviar o incômodo, é preciso modificar muito mais coisas no contexto para que ela pare de voltar infinitamente. ⠀

Os padrões emocionais precisam ser vistos invariavelmente. É extremamente comum que doenças crônicas na vagina estejam ligadas ao relacionamento e questões sexuais e a forma como a mulher enxerga e sente a si e a sua vagina.⠀

Quem desenvolveu a arte do texto foi o @atelie_do_mato

OBS: Esse texto faz parte de uma pequena série de textos sobre HPV. Você encontra a parte 1 aqui e a parte 2 aqui.

Sobre HPV e Papa Nicolau

Sobre HPV e Papa Nicolau

O início dessa conversa está no texto “Vamos falar sobre HPV”. Você encontra ele clicando aqui! Continuando nosso papo sobre HPV…⠀ O senso comum preso à matrix pode levar as pessoas a acharem q em se tratando de uma possibilidade de câncer devemos pecar pelo […]

Vamos falar sobre HPV?

Vamos falar sobre HPV?

Estima-se que mais de 80% da população adulta já tenha tido contato com o Papiloma Vírus Humano – o famoso HPV. Ou seja, quase todo mundo tem, mas ele fica latente, adormecido, inativo na maioria das pessoas. ⠀ ⠀ É um vírus extremamente comum e […]

Vitex: que erva é essa?

Vitex: que erva é essa?

Vitex! Esse arbusto de origem mediterrânea andou ganhando fama nos grupinhos de internet nos últimos tempos. Manas, acho massa esses grupos, estou em vários deles, tem ajudado muitas mulheres a, antes de tudo, saberem que não estão sozinhas e não são ETs.

Informação é livre mesmo e deve ser difundida aos 4 ventos, mas assim como na vida cabe a quem ouve/lê ter muito critério e filtro para saber que nem tudo ali é assim desse jeito mesmo, né! ⠀

Voltando a sub-celebridade: o nome botânico dele é Vitex agnus-castus L., essa parte “castus” faz referência à castidade. Tipo, era usada em monges e em mulheres gregas quando seus maridos pra guerra, com fins de reprimir seus desejos sexuais.

Calma! Segundo meu profe ele não interfere na libido da mulher!

Também conhecido pelos nomes populares: pimenta dos monges, pau de angola, alecrim de angola, alecrim do norte, jureminha, árvore da castidade.⠀

Se mostrou eficaz principalmente no combate a sintomas de TPM, por regular o hormônio Prolactina e também por estimular a Progesterona na segunda fase do ciclo menstrual (fase lútea). Por essa maravilha o Vitex age também no estrogênio e demais hormônios envolvidos no rolê como FSH e LH, já que tá tudo relacionado e como consequência regula a menstruação.⠀

Como basicamente todas as ervas que chamamos “fitohormônios”, diferente do que se pensa, não são “hormônios naturais”.

Eles atuam nos receptores hormonais tendo uma ação similar à dos hormônios, saca?⠀

O Vitex pode apresentar bons resultados também para tratamento de cólicas menstruais, dores nas mamas, falta ou excesso de menstruação, sintomas de menopausa e até infertilidade.⠀

E ainda tem ação diurética, antiinflamatória, calmante e antimicrobiana. ⠀

ALOU: nem esse e nem nenhum post de internet substitui uma consulta médica, é apenas informativo.

E pra continuar informando: o Vitex pode apresentar efeitos adversos como aumento do fluxo menstrual (raro), cefaléias, náuseas, dispepsias, exantemas. Contra-indicado o uso com outras terapias hormonais, gestação, lactação (esse é relativo, em muitos casos ele aumenta a produção de leite).⠀

A ilustração é da artista @camilaaverbeck

Allium Sativum: o alho, nosso aliado

Allium Sativum: o alho, nosso aliado

Sabe a planta que comumente conhecemos como alho e que quase todo mundo sempre tem na geladeira, o Allium sativum? Na ginecologia natural usamos e abusamos dessa abundância da natureza O tratamento com o alho se mostra incrível no combate à CANDIDÍASE e também outras […]

Ginecologia Natural é a novidade mais velha de todos os tempos

Ginecologia Natural é a novidade mais velha de todos os tempos

São muitas as desculpas criadas pela mente para resistir aquilo que é novo. Uma das favoritas é “mas isso é muito difiiicil….” a verdade é q a ginecologia natural é a novidade mais velha dos últimos tempos. Não fala em novas tecnologias ultra complexas, nem análises […]

Fitoenergética – a energia das plantas

Fitoenergética – a energia das plantas

Lidar com plantas, especialmente as plantas medicinais, é muito mais do que lidar com suas propriedades físico-químicas.

Minha formação como médica voltada para tratamentos naturais passou por cursos e estudos diversos, tanto dentro da Fitoterapia (estudo das plantas medicinais e sua aplicação na cura das doenças) enquanto ciência comprovada, quanto estudos das práticas de conhecimento popular, conversas com erveiras, curandeiras, abuelas da sabedoria ancestral.⠀

No curso “Ervas e Práticas na Ginecologia Natural” reúno um pouco dos dois, e por se tratar de um curso, procurei concentrar mais as ervas com aplicação com comprovação científica identificada. ⠀

A Fitoenergética é a cura das doenças através da energia das plantas.

Ela comprova que o contato com as ervas ajuda a reestabelecer conexões desalinhadas, expandir a consciência e reequilibrar nosso corpo energético, aliviando sintomas emocionais. ⠀

O simples hábito de cultivar um jardim, plantar, regar ou até mesmo alimentar-se nos faz sentir isso de forma inegável.⠀

Por serem organismos VIVOS as plantas possuem características bastante claras e quem lida diretamente com elas não tem dúvidas disso. ⠀

Assim como todos os elementos da natureza, as plantas tem personalidade e se expressam.

Existem plantas fortes e de potência marcante, plantas dóceis e amorosas, plantas incisivas, acolhedoras, exibidas, discretas, calmas, avassaladoras, perigosas, frágeis, caladonas e faladeiras, e plantas carregam histórias e mistérios milenares. ⠀

A energia vital impregna-se nos vegetais com extrema facilidade. A intenção do pensamento, a presença e o preparo das ervas medicinais potencializa os tratamentos em questão. ⠀

É um estudo vasto e absolutamente encantador! ⠀

 

A imagem utilizada é da ilustradora @aanadesenhou

O corpo humano é perfeito

O corpo humano é perfeito

Sou procurada diariamente por muitas mulheres que estão cada vez mais percebendo que a vida excessivamente industrializada parece boa, mas só parece. Os avanços da medicina e da ciência são ótimos, mas devem ser acessados em casos de grande necessidade e não para transformar em […]

Tratamentos naturais podem trazer autonomia na saúde

Tratamentos naturais podem trazer autonomia na saúde

O interesse crescente por tratamentos naturais pode ajudar a mulher a ter autonomia sobre sua saúde. Claro que no tangente a cuidados simples e não em casos de doenças graves ou crônicas. Nesse caso o acompanhamento médico se faz necessário, mas ainda assim a autonomia […]

Autonomia: substantivo feminino

Autonomia: substantivo feminino

AUTONOMIA: Substantivo feminino. Capacidade de governar-se pelos próprios meios. É a capacidade de um indivíduo racional de tomar uma decisão não forçada baseada nas informações disponíveis.

Hum. Então autonomia é liberdade. Mas antes é preciso informação.

A mulher atual não apenas busca como exige ser dona de si e de suas escolhas. Mas muitos desvios no conceito de liberdade a fazem ainda cair em armadilhas.

Suprimir a menstruação com uso contínuo de hormônios ou aceitar-se dependente destes para viver com bem estar não é por exemplo ser livre.

Consultas ginecológicas em geral que não dão explicações satisfatórias sobre os processos, decisões médicas não compartilhadas e não centradas no indivíduo, não oferecer opções, não levam a liberdade. Ao contrário, mantém as mulheres engessadas ao sistema e ao caminho normativo pré determinado.

A retenção do conhecimento é, portanto, o domínio do poder.

E se conhecimento é poder, o único caminho para apoderar-se de si é conhecendo-se.

Sabemos que ser autônoma tem seu preço e queremos pagá-lo. Para que possamos nos governar com nossos próprios meios sem entrar em colapso ou pedir nosso próprio impeachment devemos buscar nos munir do máximo possível de informações.

Mas o excesso de informação pode ser um baita problema em tempos de pós verdade, então a responsa é ainda maior.

Encontrar a informação verdadeira, a segurança por onde trilhar nosso próprio caminho. Seguir tudo que lemos na internet pode nos aprisionar ainda mais. É o olhar crítico e atento, com boas pitadas de intuição aguçada e experiência que nos guia.

O lindo e empoderado desenho que ilustra esse artigo é da artista Carol Borges.

Tornar-se especialista em si mesma

Tornar-se especialista em si mesma

O mergulho no novo universo que a ginecologia natural nos apresenta é antes de mais nada o mergulho para dentro. Antes de constatar que é possível trocar comprimidos por chás e óleos é preciso constatar que cura e equilíbrio físico e mental não se encontram […]

Sobre as bruxas

Sobre as bruxas

Bruxas eram mulheres empoderadas. Insubordinadas. Livres. Que conheciam as ervas, os mistérios da natureza, da vida, da morte. Seu corpo, seu ciclo menstrual, seu poder.  Muitas não se casavam, preferiam viver na floresta com os animais e suas amigas. Ou sozinhas com suas plantas. Recusavam os […]

Conectar-se com a própria natureza é o caminho para a cura

Conectar-se com a própria natureza é o caminho para a cura

O caminho da Ginecologia Natural é um caminho de encontro e conexão com a natureza.

A natureza a nossa volta e a nossa própria. Nossos ciclos, nossa menstruação, as fases que passamos todos os meses, que são tão naturais.

Na natureza encontramos a paz e o silêncio necessários para o nosso olhar interno. Na natureza encontramos os insumos que auxiliam a cura, a auto cura.

 A conexão com cada planta terapêutica se dá de forma diferente em cada mulher. Mas de nada serve um manual de receitas, um medicamento ou uma erva que nos proponham cicatrizar uma parte específica se não estamos imersas no processo, buscando a raiz profunda do que nos adoece e trabalhando sobre ela. 

A cura trazida pela planta vem também de nossa conexão com a energia vital.

Há algo mais profundo, que se chega com a prática e a abertura para percebermos o que somos e o que habitamos.

Nenhum especialista, nenhum livro, nenhuma ferramenta médica podem nos ensinar mais do que nós mesmas sobre aquilo que somos feitas, o que sentimos e desejamos. Se podem nos guiar em assuntos práticos, teremos que emergir no mundo abissal do sentir profundo que transcende tudo isso para escutar a sabedoria do nosso próprio ser.

E assim vamos construindo o caminho para o poder de nossa própria cura. E o caminho para nos tornarmos “especialistas de nós mesmas”.

O tempo é o seu tempo, nunca o tempo de fora. É essencial o SENTIR.

 

Para encontrar mais imagens como esta, basta entrar no insta da artista Andrea Tolaini clicando aqui.

Ginecologia Natural também é um ato político.

Ginecologia Natural também é um ato político.

Mulheres e todos que amam as mulheres! Falar sobre ginecologia natural é falar sobre libertação. É preciso compreender seu significado mais profundo para encontrar o caminho de cura que tanto se busca. É preciso assumir a responsabilidade e examinar internamente suas sombras mais ocultas. A […]

O caminho da Ginecologia Natural não tem atalhos!

O caminho da Ginecologia Natural não tem atalhos!

É um caminho mais longo, mais demorado. Seu ponto de chegada porém, se é que existe, é mais verdadeiro e profundo. O caminhar em si só é belo, leve e alegre. É o caminho da mulher para dentro de si mesma. A ginecologia natural busca acima […]

Afinal, o que é ginecologia natural?

Afinal, o que é ginecologia natural?

Um novo olhar sobre a saúde da mulher…

Para as mulheres que estão tendo contato com esse termo agora, trago esse texto para iniciar a contextualização e a abertura para expansão da mente necessárias ao entendimento dessa que não é uma nova especialidade médica, mas muito antes um movimento baseado principalmente em um novo olhar acerca das questões da saúde feminina, de forma holística e integral.

Ginecologia Natural não é tratar doenças com plantinhas!

Embora a fitoterapia e outras terapias naturais sejam parte importante dela.

Semelhante ao movimento da humanização do parto, a ginecologia natural é também um caminho. Após décadas de afastamento de si mesmas as mulheres atualmente vem lutando para recuperarem partes importantes da sua essência mais profunda: gestar, parir, amamentar, estar com suas crias no início da vida, menstruar.

A Ginecologia Natural é uma alternativa!

Para todas as mulheres que não se sentem mais satisfeitas ou identificadas com a ginecologia convencional, suas condutas e impactos na vida das mulheres.

Então fica tranquila, porque temos SIM opções! ❤

 

Ilustração da artista Paola Alfamor. Veja mais no Instagram @alfamor

Tratamentos super fortes, modernos e caros, cheinhos de efeitos colaterais

Tratamentos super fortes, modernos e caros, cheinhos de efeitos colaterais

No auge do desespero do corpo que sofre e da mentalidade médica que deseja resolver o sofrimento (ou apenas se livrar do problema) há quase sempre (mas nem sempre) os recursos drásticos muitas vezes vistos como heróicos: tratamentos super fortes, modernos e caros, cheinhos de […]

O que há por trás do excesso de pedidos de exames desnecessários na medicina que conhecemos?

O que há por trás do excesso de pedidos de exames desnecessários na medicina que conhecemos?

Uma indústria superpoderosa que lucra com isso. 💥💣Fato.   Essa indústria trabalha com a lavagem cerebral dos médicos desde a faculdade, e intensifica em seus consultórios. Não, nós não ganhamos dinheiro diretamente dos laboratórios a cada exame pedido, eles são muito mais inteligentes que isso. […]

Ânsia pelo Diagnóstico Médico

Ânsia pelo Diagnóstico Médico

Observando as pacientes sob a ótica da ginecologia natural digo que acredito que todo desequilíbrio físico tem um ou vários fatores emocionais envolvidos. Sim existem fatores causais bem determinados como vírus, bactérias, maus hábitos, genética. Em uma análise simplória: todos estão ligados à imunidade, que está ligada diretamente a fatores emocionais.

Em MUITOS casos o emocional é o principal fator. Em outros, o principal sintoma.

Quando dizemos que uma doença tem fundo emocional ou psicológico não estamos dizendo q ela não é real.

Não podemos desconsiderar a queixa. Se o indivíduo relata dor, existe dor ali. Ela é real e precisa ser tratada.

Negar isso por não aparecerem resultados que a justifiquem em exames é afirmar que as respostas estão nos exames, na tecnologia, e não no indivíduo, que é a causa, o meio e a solução em si mesmo. O restante são ferramentas para chegarmos até ele.

Ânsia pelo Diagnóstico

Medicinas milenares como a chinesa e o ayurveda estudavam e curavam pessoas em um tempo em que não era possível ver como estamos por dentro. A tecnologia para nosso grande avanço veio melhorar isso mas uma jamais deveria ter silenciado a outra.

A ânsia pelo diagnóstico revela a pretensão de que conhecemos  a explicação para tudo. De que a tecnologia atual já abrange toda complexidade do ser. De que todos os eventos que se passam em nós podem ser enquadrados em algo racional.

Questionar a veracidade do relato de sintomas que o indivíduo traz por não conseguirmos verificá-los é tirar ele do centro do processo de investigação e desempodera-lo da capacidade de conhecer a si mesmo, além de ser extremamente egóico.

Diminuir a importância e a relevância do problema se o identificamos como causado por uma ferida emocional é triste retrato da forma leviana como tratamos e lidamos com nossas emoções e as dos outros, contribuindo para uma sociedade de geniais homens frágeis, tão distantes de si.

___________

Ilustração Amma

Reflexões sobre a Medicina Alopática

Reflexões sobre a Medicina Alopática

Uma relação profunda e conectada do ser com o corpo que habita leva necessariamente à conclusão de que quando estamos diante de um adoecimento estamos diante de uma trama complexa de acontecimentos, causas, consequências, desdobramentos e novos eventos, nem sempre logicamente compreensíveis, nem sempre inter-relacionados […]

Absorventes de Pano

Absorventes de Pano

Transicionar dos absorventes descartáveis para o uso do coletor menstrual é realmente transformador e delicioso. É o primeiro passo rumo à ressignificação da menstruação na vida de muitas mulheres. Sim eu amo os coletores menstruais…. Mas, confesso que de uns tempos pra cá eu me […]

Secreção Vaginal e Corrimento

Secreção Vaginal e Corrimento

Todas as mulheres, especialmente as em idade fértil apresentam secreção vaginal. Todos os dias nossa vagina produz fluidos.

E isso é bom. 🌼🌟💫

Esse fluxo vaginal fisiológico protege nossa vagina contra infecções e lubrifica, evitando lesões.

A quantidade, consistência e coloração dessa secreção variam de acordo com a fase do ciclo e é o principal fator físico q se altera ao longo dele. Também se modificam devido a outros fatores como temperatura do ambiente e a nossa alimentação.

Mulheres que usam pílulas anticoncepcionais também apresentam variações desse muco natural, mas um pouco menos.

Corrimento é o nome dado ao fluxo vaginal anormal. Corrimento, ou leucorréia, é quando ta rolando alguma doença. Inflamação seja por bactéria, fungo ou protozoário.

☝🏼Mas como saber a diferença?


Bem, normalmente o corrimento vem acompanhado de algum outro incômodo como coceira, ardência, irritação, mal cheiro. Mas não necessariamente.

Costuma ser em grande quantidade, você sente escorrer, tipo a sensação de quando está menstruada. Meleca a calcinha mesmo. Se for verde então, certeza q normal não é.

A melhor forma de diferenciar a secreção vaginal do corrimento é se conhecer.

🧐Observar sua secreção para saber quando ela estiver anormal. 👀 E a comparação é de você com você mesma.

Da mesma forma que tem mulheres com cabelo mais oleoso, pele mais oleosa, que suam mais, tem mulheres que naturalmente produzem mais ou menos secreções.

Então, embora um médico seja capaz de identificar através do exame especular a aparência clínica de determinada secreção e com isso diagnosticar uma doença, a pessoa mais indicada para avaliar sua própria secreção vaginal natural é você. 

Como dica pra ajudar te digo que a secreção natural é quase sempre pouquinha, branca e sem cheiro. 

Aquela sujeirinha na calcinha tipo uma massinha só no fundinho faz parte da vida da mulher e as vezes começa a se manifestar nas meninas pouco antes da primeira menstruação quando ja estão sujeitas à ação hormonal.

Se aquilo que você diz ser “corrimento” te acompanha ha anos, provavelmente é seu fluxo normal. 🌸💗😉

Uma inflamação bacteriana não fica anos colonizando uma vagina sem apresentar vertiginosa piora ou outros sintomas.

Ninguém “tem” corrimento, as vezes se pode “estar” com corrimento.

🌟🙏🏼 Torne-se especialista em si mesma.

#ginecologia #ginecologista
——
Ilustração @artlindacatarina

O Caminho da Consciência Alimentar

O Caminho da Consciência Alimentar

Teu corpo “sente falta” e “precisa” de carne e derivados animais tanto quanto o corpo de um fumante “sente falta” e “precisa” de um cigarro após três dias sem fumar. Uma sensação de bem estar súbito e temporário após consumo NÃO é sinônimo de que […]

Do que você se Nutre?

Do que você se Nutre?

O combustível do corpo é o que o faz se mover e atender aos comandos que damos a ele todo o tempo. Voluntária ou involuntariamente. Até para que o coração bombeie, que as trocas gasosas aconteçam, a absorção, a excreção e tudo o mais é […]

Plante sua Lua!

Plante sua Lua!

Lua é o nome que muitas mulheres chamam a menstruação. Vem da relação profunda que há entre nosso ciclo menstrual e o ciclo lunar. Ambos duram em media 28 dias. Passam por fases distintas e reiniciam.

Ciclicamente. 🌙

Nova, crescente, cheia, minguante.
Menstruação, pré ovulação, ovulação, pré menstruação.

Inverno, primavera, verão, outono. ☀️🌼
Por quanto tempo não percebemos tamanha beleza e magia em sermos a própria manifestação da natureza.

Plantar a lua é o gesto ritualístico da mulher oferecer seu sangue menstrual à terra. 

A primeira vez que ouvi falar sobre “plantar a lua” foi inserida na frase: Quando todas as mulheres plantarem sua lua, não haverá mais guerras no mundo.

Aquilo não fez nenhum sentido pra mim. Eu jogar minha menstruação na terra vai acabar com guerras? Ah tá. 🙇🏼‍♀️

Como não tocou meu coração, não fiz. Eu já trabalhava com ginecologia natural, usava coletor, mas não plantava lua nenhuma.

O despertar se dá de diferentes formas pra cada uma e não são necessários grandes acontecimentos. As vezes um bate papo com amigas te acende a luz interna.

Plantar a lua pode realmente parecer não fazer sentido lógico pq não é pra entender. É pra sentir. Pode soar estranho à mente condicionada pq é exatamente revirar tudo. É ressignificar a menstruação.

Aquilo que era sujo, nojento e vergonhoso se torna honra, amor e gratidão.

 

É transmutar as dores milenares do feminino agradecendo à terra por estar viva em um corpo de mulher.

Plantar a lua é sentir fundo na alma o que significa o “sagrado feminino”. E não há receita sobre como fazer, que intenção colocar, pedir ou celebrar, o teu sangue é o que oferece o mais profundo de ti e é único e é sagrado.

E o dia em que TODAS as mulheres desse planeta estiverem despertas para isso eu realmente acredito que o mundo estará curado.

Desde então eu planto a minha todos os meses e adoro, é a celebração do amor e felicidade em menstruar. 🌸 Em ser mulher. 

Talvez vc ainda não ame menstruar, talvez por sentir dores. Eu entendo.

Entregue essa dor à Mãe Terra também. Eu convido a todas as mulheres que experimentem e SINTAM o que acontece.

Sem racionalismos. SINTA a Deusa dentro de vc.

O mundo nunca mais será o mesmo! Ahooo

•• ilustração de Layse Almada ( www.instagram.com/laysealamadaart )

Os Banhos de Assento

Os Banhos de Assento

Desperdício, consumo sem consciência, produção de resíduos excessivos ao planeta, uso desenfreado de substâncias químicas. Quem está acompanhando a chegada da era de aquário já se ligou que essas ideias estão cada vez mais sendo deixadas pra trás. E já vão tarde. Em meio a […]

O Barbatimão na Ginecologia Natural

O Barbatimão na Ginecologia Natural

Eu sempre dou preferência para o uso de plantas nativas do Brasil – por motivos de serem belas, fortes, impávidos colossos e muito fáceis de achar. 🌿💚💛💙 O Barbatimão é oficialmente uma das minhas favoritas pra tratar as famosas bucetites – incluindo cistites. Eu falo de […]

Percepção da Fertilidade não é Tabelinha!

Percepção da Fertilidade não é Tabelinha!

Aplicativos de celular para “controlar” o ciclo menstrual nada mais são do que tabelinhas eletrônicas.

E tabelinha não dá certo, falha, é furada. 😬


Você anota os dias do seu ciclo e baseado na média dos ciclos passados se faz uma presunção do ciclo futuro. Só que nosso corpo não é matemática e não segue uma regra. Nosso ciclo menstrual varia e responde muito a diversas mudanças externas e internas como emoções, estresse, doenças, alimentação, viagens, etc. Mesmo os ciclos mais regulares.

Pequenas variações como atrasos ou adiantamentos de dois ou três dias na menstruação – que são completamente normais – significam que a ovulação também atrasou ou adiantou dois ou três dias e se você está se baseando em continha ai numa dessas você se ferra.

Percepção da fertilidade é sobre SENTIR o corpo. Perceber e compreender os sinais que ele apresenta em cada fase do ciclo. Não está se baseando no passado para prever o futuro, está observando e compreendendo o presente: o que você está sentindo AGORA. 🌻

Saber mais ou menos quantos dias seu ciclo costuma durar e em média em qual dia do ciclo você costuma ovular – que não necessariamente é no meio do ciclo alouuu – ajuda sim! Mas, se isso mudar de um mês para o outro você vai SENTIR.

Conhecer e se conectar com nosso ciclo menstrual é simplesmente transformador! Sem dúvida uma das principais mensagens da Ginecologia Natural e eu incentivo muito TODAS as mulheres. 

Mas delegar isso a um app não te ajuda a te conhecer realmente.

 

Pelo contrário, se desconectar do celular um pouco é um dos passos para se reconectar consigo.

Fora o fato que a indústria oferece esses apps “de graça” com a intenção de coletar dados sobre seu corpo e seus ciclos para criar produtos e lucrar. 💸

Se vc gosta de usar o app pra anotar os dias da sua menstruação, ok. Não é minha forma favorita de mapear o ciclo mas ok, quem decide o que você prefere é você. Apenas se liga muito: de forma alguma se baseie apenas nas contas deles pra saber seus dias férteis.

PS: minha favorita é a mandala lunar 🌙

•••
👉 Inscreva-se para receber o Ciclo de videos sobre a Percepção da Fertilidade:
www.ginecologianatural.com.br/ciclo

Ilustração Ana Novaes ( www.instagram.com/ltg.art )


O Manifesto

Manifesto

Manifesto

O projeto Ginecologia Natural por Bel Saide nasceu de uma insatisfação, como toda revolução!

Desde que entrei na faculdade de medicina da Universidade Estadual do Rio de Janeiro em 1999 eu sentia um incômodo, uma sensação de inadaptação. Num ambiente universitário extremamente elitizado pré-cotas, sempre fui a diferente. Aquela que se veste diferente, que pensa diferente, a que frequenta outros lugares, a que queria mais liberdade, que queria mais de tudo. Cheguei a largar a faculdade no segundo ano pra morar no mato. Engravidei, voltei, mãe solo frequentei as salas de aula com barrigão e depois com um bebê. Pari de parto normal no Hospital Universitário com um médico residente. Esse processo juntamente com professores inspiradores me levou à escolher praticar a obstetrícia.

Nessa época não me interessava a ginecologia, era só parte do combo da especialidade. Adentrei os hospitais públicos, onde me fazia naturalmente cada vez mais heterogênea a maioria dos médicos. A que demora nas consultas, a que sabe da vida das pacientes para além de suas doenças e que falo da minha vida também, a que gosta de conversar com elas sobre outros assuntos, a que abraça, que se apega a elas. Sempre vi aquelas mulheres de uma forma mais integral, mais abrangente, intuitivamente sempre soube que suas relações com a vida tinham a ver com suas doenças.

Por 11 anos me dediquei exclusivamente ao SUS. Acompanhei milhares de partos. Por mim mesma busquei o caminho da humanização do parto. Um caminho solitário de rompimento com o que nos é ensinado tecnicamente em nossa formação. Fui querida e criticada por isso, mas era o início do meu encontro com minha vocação.

Amava trabalhar exclusivamente com mulheres e sua complexidade encantadora, mas a sensação de estranheza ia e vinha como uma espiral. Por diversas vezes pensei que não queria ser médica. Mas, não sabia o que queria no lugar. Não sei ao certo qual intuição, acaso ou destino me levou a procurar amigas naturólogas. Com elas comecei a conversar sobre ciclos femininos, tratamentos naturais, e um olhar holístico e sensível sobre o adoecimento e a saúde. É quando você encontra um lugar e relaxa confortável….

No início de 2016 conheci a Ginecologia Natural, movimento vindo da América Latina que resgata conhecimentos tradicionais das mulheres em seus cuidados íntimos, que vê com amorosidade as questões femininas e suas nuances, que convida ao profundo autoconhecimento e conexão com seus corpos, que leva à autonomia, transformação e libertação. Ao mesmo tempo que é individual, é coletivo, estimula o contato, o carinho, a troca, o apoio mútuo entre as mulheres. Nos leva à natureza, ao natural, à essência de ser mulher. É novo e é antigo, é complexo e maravilhosamente simples!

Fiz parte da primeira turma de formação em Facilitadoras em Ginecologia Natural, curso ministrado em dois módulos de quatro dias de imersão em São Paulo pela incrível professora argentina Liliana Pogliani e a inadaptação chegou ao fim….

Me encontrei, como é lindo, como é bom! Mas, todo fim de um caminho é o começo de outro. Sai com a certeza de que tenho uma missão, de que preciso levar essa nova visão às mulheres. As mulheres que tanto precisam e pedem por uma medicina mais humana, por médicos que as ouçam verdadeiramente, que respeitem suas peculiaridades, que as empoderem ao invés de lhes levar à dependências e inseguranças diversas. Optei pela internet para ter um alcance muito maior do que as paredes de meu consultório. Mas esse novo caminho, embora iluminado, certamente será difícil. Porque vamos contra uma indústria muito poderosa, conceitos arcaicos que muitos jamais abandonarão, colegas de profissão que por não compreenderem ou não concordarem talvez tentem reprimir ou ridicularizar, sociedade patriarcal e machista que não tolera o feminismo e seus desdobramentos.

É um longo caminho e esse é só o primeiro passo. Vou com coragem e alegria! Primeiro porque não há como eu voltar atrás no que me tornei. Segundo porque sei que ao meu lado estarão muitas mulheres nessa busca VERDADEIRA.

Muito obrigada pelo tanto que me ensinam. Estamos juntas!